Educadores da Identidade Católica através da Missa Tradicional Latina

Print Friendly, PDF & Email
PARA A SOCIEDADE DOS IGNATIANOS “A LITURGIA É A PRIMEIRA PRIORIDADE: TUDO É POSTERIOR” (BENTO XVI) PORQUE “A IGREJA ESTÁ E CAI COM A LITURGIA” (BENTO XVI)

A sagrada liturgia (a promulgação do Santo Sacrifício da Missa, os Sacramentos, Sacramentais e oDivinum Officium) é a porta através da qual a Igreja honra a Santíssima Trindade e capacita a salvação das almas dos homens.

“Quando a adoração da Trindade divina declina, quando a fé não aparece mais em sua plenitude na Liturgia da Igreja, quando as palavras do homem, seus pensamentos, suas intenções o sufocam, então a fé terá perdido o lugar onde é expressada. e onde ele mora.Por essa razão, a verdadeira celebração da Sagrada Liturgia é o centro de qualquer renovação da Igreja. (Papa Bento XVI)

Na tradicional missa e liturgia em latim, os católicos encontram essa personificação do catolicismo em todo o esplendor possibilitado por dois mil anos de habilidade divinamente assistida pelos homens de Deus.

LITÚRGIA LATINA TRADICIONAL: A FORMAS DE REALIZAÇÃO DO CATOLICISMO

É a primeira prioridade porque a liturgia tradicional é o lugarpor excelênciaonde aparece diante dos olhos, imaginação, memória e coração dos católicos dois mil anos de verdade católica.

Aqui, em pureza imaculada e transparência, isenta de erros, desprovida de ambiguidade, está a aplicação do axioma católico:lex orandi, lex credendi, lex vivendi.Sim, de fato, como oramos reflete o que acreditamos ser verdade, e isso determina como vivemos.

Por isso a sagrada liturgia deve ser o espelho em que podemos ver o reflexo absolutamente puro das verdades divinas da fé católica, educando-nos como nos colocar na presença de Deus, incitando-nos com o seu ethos dramático, inspirando-nos a viver para a honra de Deus e a salvação das almas.

A Liturgia (a missa, sacramentos, sacramentais, odivinum officium) é o lugar por excelência, juntamente com as definições dogmáticas do papado e dos conselhos, onde as verdades do catolicismo são preservadas.

O espírito da liturgia tradicional é o espírito da Igreja, porque é a expressão das verdades do catolicismo em sua integridade através dos tempos, inspirada e preservada pela assistência do Espírito Santo, atuando através de gerações de católicos que veneravam sua ação na tradição.

Praticamente, é onde os católicos aprendem estas verdades, uma vez que é para a vasta maioria geralmente o único lugar onde eles fazem contato com eles. Como o conhecimento é a base do senso de identidade, a liturgia é onde ocorre a renovação vitalícia desse conhecimento e crescimento nesse conhecimento.

A LITURGIA É ONDE O CATÓLICO ADQUIRE UMA IDENTIDADE RADICAMENTE CATÓLICA

Contudo, ser cristão, católico, não é meramente uma questão de conhecimento; não é apenas um estado psicológico, mas uma identidade que afeta as próprias raízes da inteligência, da força de vontade, dos sentimentos, das afeições e, finalmente, até do corpo de um homem. É uma identidade que envolve mudanças e transformações radicais.

A liturgia é a própria alma do catolicismo, porque não é meramente um conjunto de cerimônias cuja finalidade épsicológica.Não é um fenômeno pelo qual simplesmente aprendemos, expressamos, nos sentimos “religiosamente” em benefício de nossa compreensão, nossos sentimentos, nossas faculdades estéticas. Nao! Todas essas idéias, sentimentos são apenas a ponta doiceberg, as meras ondulações superficiais de um duplo movimento que ocorre profundamente nas profundezas da alma – um movimento que é cataclísmico, profundo desenraizamento e destruição, iluminação, renovação e fortalecimento, até a própria transformação da alma do homem.

É na Liturgia (a missa, sacramentos, sacramentais, oofficium divino) onde o homemse tornacatólicoem seu ser.A liturgia é o lugar onde ele é transformado do “velho homem” radicalmente enraizado no “mundo” que está em inimizade com Cristo (Romanos 1: 18-32) na “nova criatura” (2 Coríntios 5:17), o cristão, o católico que é um membro do Corpo Místico de Cristo. Para eternamente a salvação eterna.

Pois a Missa e os outros momentos da liturgia existem no plano providencial de Deus para nos mudar, para nos salvar da escravidão de Satanás e das forças demoníacas presentes no universo e nas profundezas de nossa própria alma, inserindo a nova vida sobrenatural. chame de “graça santificante”.

É isso que nos une a Cristo Salvador,nos divinizandoem filhos de Deus com capacidade para uma maneira radicalmente nova de ver a realidade, de agir e – estupendo mistério – até mesmo capacitando nosso corpo para vencer a morte e viver eternamente!

O duplo propósito da Liturgia é a adoração de Deus da maneira que Deus revelou que Ele quer ser adorado e a salvação do homem para a glória de Deus.

Isto é devido ao fato de que a salvação da condenação eterna só é possível através da Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Este é o centro da história, a realidade da qual depende o destino eterno de cada homem. Mas a paixão salvífica e a morte e ressurreição do Deus-Homem ocorreram como eventos históricos há 2.000 anos.

Consequentemente, é necessário se conectar com eles, é vital tornar-se, de uma maneira misteriosa, mas sempre tão real, um “contemporâneo” de Cristo Salvador, a fim de reconhecê-lo como Senhor e Salvador desua vida e ser transformado por Ele.Isto, pelo plano providencial de Deus, é possível através da sagrada liturgia.

Através de suas palavras, símbolos e cerimônias misticamente energizadas. Acima de tudo, através de seus sacramentos (sinais que, efetivamente, realmente comunicam as realidades que eles contêm).

Mais especialmente de tudo através do Santo Sacrifício da Missa. É através desta reconstituição da auto-imolação do Deus-Homem que a alma do indivíduo é transformada radicalmente.

Assim, é através da liturgia (a promulgação dos sacramentos, dos sacramentais, das orações e das cerimônias que os acompanham) que o católico adquire sua identidade católica, não apenas psicologicamente (porque aprende o que é o catolicismo), mas sobretudo porque mente e coração são radicalmente mudados através dela.