Homens focados na massa latina revolucionária tradicional

Print Friendly, PDF & Email

Os inacianos não só promulgam o Santo Sacrifício da Missa de acordo com a liturgia romana clássica, verdadeiramente a “Missa das Eras” (denominada “Forma Extraordinária da Liturgia Romana” em Summorum Pontificumpelo Papa Bento XVI) mas veneram-na, colocando-a e o resto da liturgia tradicional na origem de sua determinação ascético-mística, isto é, espiritualidade.

Os inacianos serão ordenados ao sacerdócio de acordo com este rito mais antigo, tendo alcançado esse dia glorioso ao ascender através de cada uma das ordens menores, e promoverão proativamente o conhecimento e o amor do antigo rito.

Por que os inacatas veneram a tradicional missa em latim: a revolução em curso

O catolicismo, em sua essência, é a revolução da cruz porque é o prolongamento da ação do Deus-Homem que, no Calvário, conquistou a vitória crucial na guerra para destruir o poder de Satanás sobre a humanidade.

No entanto, esta guerra continuará até o último momento do mundo, uma vez que Satanás nunca deixará de “agir no mundo por ódio a Deus e ao Seu Reino” ( Catecismo da Igreja Católica,n.395).

Visto que Deus desejou que os cristãos usassem sua inteligência e liberdade, sobrenaturalmente impulsionados pela graça, para estabelecer Seu reino, deve haver, conseqüentemente, uma revolução contínua contra “o mundo inteiro [que] está sob o poder do maligno” (1 João 5:19)

Essa revolução deve explodir antes de tudo no coração e na mente do indivíduo antes que ocorra uma revolução social.

Embora condicionada pela liberdade do homem, essa revolução católica é, em essência, sobrenatural.

É provocado pela luz e força sobrenatural desencadeada pelo Sacrifício de Cristo e canalizada, século após século, através da sua reencenação mística e sacramental na Missa.

Mas, assim como na Encarnação, o sobrenatural usou a natureza, analogamente, o poder imperceptível da Missa usou o poder perceptível do “Antigo Rito” (a Missa Tradicional Latina) para cristianizar o Ocidente.

A estrutura da “Missa das Eras” agiu como uma poderosa “mídia de massa”, já que seu uso não apenas da palavra, mas do cerimonial enriquecido pela linguagem corporal, simbolismo, música e arte, efetivamente comunicava as verdades do catolicismo de tal forma. forma que eles criaram a visão de mundo revolucionária da nova civilização que nasceu no século XII: a cristandade.

A ênfase mais revolucionária, ainda que também mais sutil, do Rito Antigo no sacrifício e na mentalidade sacrificial fortaleceu o senso de verdadecaracteristicamente ocidental desenvolvido pelos maiores filósofos do Ocidente, Sócrates, Platão, Aristóteles e Aquino, dentro da cosmovisão judaico-cristã.

A civilização ocidental construída pela Igreja Católica foi a civilização que sujeitou todas as dimensões da vida – incluindo a religião e as religiões – à pergunta: “Mas é verdade?”O Ocidente então espalhou essa primazia da verdade por todo o planeta para o desgosto da atual civilização pós-ocidental da Europa e das Américas.

É essa primazia que é rotulada como “imperialismo” pelas elites dominantes da “Ditadura do Relativismo” e dos fundamentalismos religiosos .E é certamente por isso que ambos temem a antiga civilização católica e a Igreja que a construiu. Pois a verdade é certamente intolerante intelectualmente à não-verdade – seja na forma de religião, academia ou governo.

Uma profunda convicção de que a Verdade deve ser a Estrela do Norte das ações do homem e da sociedade não pode ser sustentada apenas pela filosofia. A história mostra, repetidas vezes, que o homem, uma complexa união de inteligência, vontade e paixões, pode muito facilmente deixar de lado a verdade para opiniões arbitrárias.

Para que a verdade permaneça no poder tanto no indivíduo quanto na sociedade, outra coisa é necessária – o espírito de sacrifício. Mas a relação é recíproca: a capacidade de sacrificar também requer a convicção de que verdades absolutas e imutáveis ​​existem.

“O sacrifício, do qual o martírio é o modelo, e do qual o combate cristão é a expressão, é sobretudo a renúncia de um bem legítimo em prol de um bem maior.O sacrifício pressupõe a idéia da verdade e do bem e é incompatível com o relativismo religioso e cultural contemporâneo.

“Pressupõe uma mortificação da inteligência que deve curvar-se à verdade, uma direção exatamente oposta àquela da autoglorificação do pensamento humano que caracterizou os séculos recentes….

“Contra o princípio do hedonismo e da autocelebração do Ego, que constitui o núcleo do processo revolucionário secular que assalta nossa sociedade, é necessário neutralizar o princípio do sacrifício vivido”. (Roberto De Mattei, La Liturgia della Chiesa nell’epoca della secolarizzazione(Chieti: Solfanelli , 2015), p.Minha tradução)

O Sacerdote como Homem do Sacrifício para promover a Revolução no Interior do Homem e da Sociedade

Nas próximas páginas, a explicação é por que os inacianos focalizam sua identidade e missão através da ação revolucionária da Missa Tradicional Latina.

A própria estrutura da missa tradicional em latim assegura que o inaciano está totalmente focalizado em sua natureza como a representação mística do Supremo Sacrifício.

A formalidade do Rito Antigo gritauma mensagem clara aos sacerdotes e fiéis leigos e até aos não-católicos.Como leiga, a romancista inglesa Evelyn Waugh, autora de Brideshead Revisited,que se converteu ao catolicismo aos vinte e poucos anos, comentou:

“Fui atraído [para a Igreja], não por cerimônias esplêndidas, mas pelo espetáculo do sacerdote como artesão. Ele tinha um trabalho importante para fazer o qual ninguém, mas ele estava qualificado para. Ele e seu aprendiz foram até o altar com suas ferramentas e se puseram a trabalhar sem olhar para os que estavam por trás deles, menos ainda com a intenção de causar uma impressão pessoal neles.

Na verdade, esse motivo do padre como “artesão” aparece com frequência nos escritos dos principais convertidos ao catolicismo, como GK Chesterton, John Henry Newman, Gerard Manley Hopkins e Hilaire Belloc.

Assim, o antigo rito é transparente sobre a honra de Deuse a salvação das almas– é teocêntrico, cristocêntrico, sacro– e, portanto, é um chamado às armas para converter uma sociedade secularizada!